domingo, 2 de agosto de 2015

Crítica sobre: Deserto de ossos {Livro}

''Ela conta para ele que sente enjoo no mar. Que prefere gatos. Que gosta de Dickens. Ela fala e fala, pois sempre que fica em silêncio se pega olhando para ele e isso a faz perder um pouco o fôlego.''

Antes de iniciar minha opinião, e os pontos que quero ressaltar desse romance, quero deixar aqui umas informações sobre o Massacre de 1915, pois este é um dos fatos históricos que não tinha informações, e dos quais fiquei curiosa para saber mais a respeito. Também considero importante, deixar essas (se posso chamar) curiosidades aqui, pois acredito deixar você leitor mais curioso para leitura.

No site agência Brasil, eu encontrei uma reportagem sobre o tema de fundo do livro, e dentre as informações lidas a fala do secretário executivo do Comitê do Centenário do Genocídio Armênio, João Carlos Boyadjian é a minha escolhida para deixar aqui. Boyadjian lembrou que, no dia 24 de abril de 1915 dia morreram 300 intelectuais no massacre, motivo pelo qual a data foi escolhida para representar o centenário. “Muita gente acabou esquecendo desse centenário, que não pode ser esquecido, para que não aconteçam novas tragédias como esta.”

Recebi, Deserto de Ossos junto com Sequestrados, mas ele não havia me chamado a atenção como Sequestrados chamou, ai acabei deixando ele para mais depois e agora depois de lido fiquei a pensar: "Porque eu não li ele antes". Sabe aquele livro que você não dava nada por ele, que não tinha expectativas, e que pensou ser mais um, mas depois de lido sua opinião e os seus 'hummm' depois da leitura mudam todos. Bom foi assim comigo e com Deserto de Ossos. 

Deserto de Ossos têm como plano de fundo o genocídio dos armênios, onde mais de 1 milhão e meio de homens, mulheres e crianças morreram na mão dos turcos. Posso estar enganada, mas este fato histórico é um dos menos comentados, ou conhecidos entre as guerras conhecidas, eu só fiquei a par dessa história com a leitura do livro, pois não tinha ideia do que se tratava, e não lembro do assunto ter sido tratado nas minhas aulas de história.

Junto com a história do genocídio armênio ficamos a par da história de Armen Petrosian, um engenheiro armênio e Elizabeth Endicott uma jovem americana que junto ao seu pai se volutaria para ajudar os armênios. A história de Armen e Elizabeth é contada por Laura, que resolve escrever sobre a história de seus antepassados e com isso ela mergulha em uma história de amor, perda e um delicado segredo que ficou soterrado por gerações.

O livro é dividido em passado e presente. Preciso confessar a vocês que gosto muito quando duas histórias se intercalam, quando passado e presente se unem para contar algo que marcou e continuara marcando o futuro. A história é contada em primeira pessoa, no presente por Laura, que se baseada nas cartas dos avós, seus medos, amores, sofrimentos, e logo mais é narrado em terceira pessoa, quando ficamos a conhecer a história a partir do ponto de vista de Armen e Elizabeth, os avós de Laura.

Gostei muito da história, como também gostei da narrativa que apesar de alguns momentos, ter me deixado cansadinha, por causa da lentidão em que a trama ia se desenrolando, continuou a me conquistar, pois o autor soube trabalhar muito bem o pano de funda da história com a construção dos seus personagens, ponto este que me fez querer avançar logo com a leitura.

A Editora está de parabéns pelo capricho, carinho e atenção com o livro.Gostei da capa de Deserto de ossos, mas gostei mais ainda da diagramação interna do livro, a editora caprichou com o interior do livro, pois distribuiu bem os capítulos, caprichou na diagramação e na ortografia.

Por fim, me resta dizer que gostei muito de Deserto de ossos e que Chris Bohjalian conseguiu me conquistar com sua história triste e emocionante. Então, se vocês gostam de livros que carregam consigo fatos históricos, e que ainda por cima te apresentam personagens e um romance bem trabalhado, vais gostar muito de Deserto de Ossos.

Qual minha nota para o livro:



Título: Deserto de ossos
Autor: Chris Bohjalian
Editora: Companhia Nacional

Sinopse: Deserto de ossos - Em 1915, o massacre de milhares de armênios perpetrado pelos turcos tingiu para sempre as areias do deserto sírio com o sangue e os ossos de uma civilização inteira. Em meio a esse cenário desolador, Armen Petrosian, um jovem engenheiro armênio que perdeu a esposa e a filha, e Elizabeth Endicott, uma rica jovem americana, se apaixonam. Mas antes de assumir o que sentem, eles se separam quando Armen se alista no exército britânico e Elizabeth vai trabalhar como voluntária. Ambos testemunharão atrocidades que os marcarão para sempre antes que possam se reencontrar. Quase um século depois, às vésperas do centenário do genocídio, a neta do casal, Laura, embarca em uma jornada pela história de sua família, descobrindo uma história de amor, perda e um delicado segredo que ficou soterrado por gerações.

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Olá leitores.
Que bom que gostaram do Post! Quer compartilhar a sua opinião?.

↺Comentários ofensivos, que agridam a mim ou a qualquer outra pessoa ou entidade (autor, seguidor, editora) também será deletado.

↺Agradeço seu comentário! Sua opinião é de extrema importância para o blog e para mim. (Pode ter certeza que, responderei o seu comentário assim que possível.) Volte Sempre!



Importante!! Pessoal, caso encontrem links com defeitos, avisem por comentário ou pelo e-mail: angelicapinheiropereira@gmail.com, para que possamos arruma-los.